Páginas

Seguidores

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Por Mally Freire "APOLLO" Autora participante do livro Coletivo "Descobrindo a Floresta"

"APOLLO" 
 Seu corpo físico e poético que por si só fala. Corpo elemento físico e poético com aura de erotismo e sensualidade que seduz. Cada poro de sua pele exala energia e desejos, os músculos tensionados dispostos e expostos numa geografia entre o ocidente e oriente de seu território. A paisagem dinâmica se desfaz e refaz e a cada posição, incita o olhar vertical, horizontal e oblíquo que busca um mundo ali revelado. O seu corpo me fascina, me faz sentir calor e frio, nesse instante seu mundo esbarra com o meu corpo, quer me contar sua história. Seu corpo, espaço infinito de superação e realização de conquistas interiores, aspecto sagrado, vejo-o como uma pluralidade com possibilidades de resistir e transcender. Ao deslizar o olhar em cada relevo, no encontro de texturas que se desenham sob o desvendar de dobras e fissuras. Enlevos e despertar de sentidos se fazem ao mirar seu corpo Apolíneo. Desejos de ciciar aos seus ouvidos palavras de magia, que farão carícias e te envolverão em abraços intensos. Empreender a viagem em seu território será como ir ao encontro de um lugar de existência, onde tudo é espiralidade, onde o tempo poderá parar por segundos e se fazer eterno. O encontro aconteceu de forma inusitada e dentro do campo do impossível, mas aconteceu. E todo sonhar se materializou dando inicio a viagem nesse corpo-território de pura sensualidade masculina, envolta na aura da maturidade. Esse corpo viril vibra e emerge de uma alma nobre que dá luz a cada gesto e no seu olhar pude-me ver ali refletida, como na superfície de um lago sereno Ao acordar e ver o mirar de seus olhos sorridentes que transpassam as vestes e a pele. Sentir o aconchego de braços fortes e ternos a me envolver não há necessidade de palavras gastas nem promessas vazias, fizemos do nosso jeito, o que resultou da combinação entre nossas químicas, nossos hormônios que de fato são eles que nos conduzem nessa jornada que é tão tátil, olfativa, visual e gustativa, puro universo dos sentidos, despertos uníssonos em duas pessoas, resultando numa perfeita e harmoniosa implosão química, mantida e dinamizada pelo que pensamos e estimulamos. Nossas mãos num jogo de tatear prazeroso, a descoberta de cada recôndito do corpo. Um frisson inexplicável como se as mãos penetrassem através da pele e músculos e tocassem o estarmos além. Por diversos momentos tive a sensação de que o tempo parava e pairava sobre nós uma atmosfera de enlevo mágico, a magia de transmutar o sexo em matéria e divino. Vem até mim sou sua morena que a luz do amanhecer perpassada pela cortina aumenta o tom âmbar de minha pele e aguça seu toque nessa superfície que reflete o calor e os tons da luz do deserto. Cada toque estilhaça infinitudes de prazer, movendo e removendo antigas couraças que moldavam e prendiam minha alma erótica. Seus beijos longos e quentes derretiam minhas defesas cientes e inconscientes do que podia avançar nesse campo insondável, agora tão exposto em sua plenitude antes nunca visitada. Nossa respiração, a cada fremir e aquecer do sangue fez girar em sentidos levógiros e dextrógiros nossos corpos molecular, espiralando as ânsias de estar no outro e não invadir, mas acoplar na mesma cadência vibracional, onde cada orgasmo era ao mesmo tempo um morrer. Sonhar faz parte do estado de devaneio e permanecer nele depende do despertar da vigília do mundo restrito e mesquinho dos sentimentos aprisionados. Instantes quiméricos únicos, pois só aconteceram no estar com você, porque era você e eu. A fusão do momento não mais de sonho e sim real. Esse prazer sensorial manifestado explode a minha sexualidade e sensualidade, antes ofuscada. Sua presença Apolo, me fez sentir o aqui agora e sentir-me reconhecida pelo outro. O que esperar? Estar novamente com esse homem turbilhão de emoções que rodopiam em minha mente do anoitecer ao amanhecer, alimentando meu ser alma-mulher enamorada. Sempre acreditei na energia do amor como o ‘mote’ da vida e experimento mais uma vez e de forma diferenciada esse estado de espírito que nos tira desse plano cartesiano. E quero estar aqui! Despida de fôrmas de amar e experimentar o novo, quem sabe caminhar pelo mesmo caminho, mas com olhar e modo de andar diferente, oportunizando ao corpo suas expressões reais. A mente ciente que nem sempre discerne entre os planos, estará acondicionada num espaço reservado e com código esquecido. Não faço idéia do que virá a ser em que se transformará, pois nada está dado definitivamente só quero e tenho certeza que irei ao encontro desse sentimento sem armaduras, armas e nem estratégias. Tudo fluirá e seguirá diminuindo a distância espaço físico, se nos fixarmos nela nada disso teria acontecido e nem teríamos vivido a experiência do amor. Sei que caminho para algo novo, sem saber o antes, nem o que será agora. É deixar-me acontecer, ver o que funciona, o que se delineia, no caminho. Não é estar perdido, caminhos se constroem de maneiras e passos diferentes, somos mundos em expressões. Naquela atmosfera, naquele quarto de paredes amareladas e embaçadas pelo tempo se tornou o universo nu, abstrato, local arrebatado por sensações fora e dentro dos corpos que nos levou a tocar o metafísico mistério da vida. O ar que banhava o quarto se arrastava sonolento como uma imensa cauda de vestido nupcial e ali vivemos nossas horas cheias um do outro apontando batidas perfeitas e aceleradas do coração. Os sons dessas batidas direcionam o pensar elucubrado ao silêncio de tua, nossa ausência corpórea acalentada pela visão interior que emerge de brumas da saudade que açoita e instiga olhares ao passado por cenas que ali habitam eternizadas pelas lembranças. Vejo o futuro como um passear de imagens montadas com fragmentos de momentos, expressões faciais, trejeitos e voz que busco incessantemente para não deixar o esquecimento se fazer presente. Essa lembrança me toma de sentimentos contraditórios por vezes me compadeço de mim mesma e quero tê-lo de imediato em meus braços e cobri-lo de beijos lagrimosos e outras, sinto-me invadida por uma força capaz de mover obstáculos e a inércia da solidão.  Atravessarei o limite para ter você! 

 Autora: Mally Teixeira Freire Endereço: Rua Aquino de Araújo, n° 15/602 Praia da Costa – Vila Velha /ES CEP: 29 101240 Telefone: 027 -9223.4063 Endereço eletrônico: mallyfn@gmail.com 
 Quem sou: Mulher, mãe, filha, bióloga sanitarista , mestre em psicologia institucional, consultora ambiental, instrutora de yoga e aprendiz na arte de escrever .

Um comentário:

  1. Parabéns Mally, muito lindo.
    Faz nós transportar para um lado dormecido.
    Maravilhoso amei, sucesso continua a postar, para que possamos usufruir das suas escritas literárias.
    Um abs

    ResponderExcluir