Páginas

Seguidores

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Por Walter Leite Castro "Um pouco de mim"

Para pensar !
 Um pouco de mim ! 
Quem sou ? eis a pergunta que sempre acompanhou-me desde criança; inicialmente existia em mim,uma identificação com meu corpo, posteriormente meu nome passou a ser importante; aliado com um conjunto de opiniões dos outros gravado em minha memória. Mas, com o passar do tempo fui tendo uma forte intuição de eu era bem mais do que meu corpo ,ou de um conjunto de memórias a meu respeito ,existia algo inefável em mim. Portanto,a parti deste momento compreendi que existia em mim um sentido de presença que me tornava diferente de qualquer coisa, assim, a primeira certeza surgiu em mim: eu não era uma coisa, um ente qualquer;eu era um Ser, e o que assegurava minha qualidade de ser era a presença em mim. Mas, o que significa esta presença ? Para os religiosos significa a suprema criação de Deus. Um Deus antropomórfico. Para os ateus uma a combinação de fatores orgânicos, ambientais, que ocorreu no universo há milhões de anos. Eis, os dois extremos o crente e o ateu. Para mim, a presença é algo inexplicável pela limitada inteligência humana, que é limitada e incapaz de desbravar o desconhecido. Não obstante,a minha impossibilidade para explicar , definir a presença ; não elimina da presença sua grandiosidade, pujança , exuberância, pois, este sentido de presença é uma permanência e uma transcendência; Permanência porque a presença só ocorre no âmago do corpo e transcendência porque a presença é afirmação de uma força , que não é corpo, é algo além do corpo. Todavia , este sentido de presença proporciona uma condição que é única do homem que é auto consciência, ou seja, saber que existe e saber que vai findar morrer. Destarte ,esta auto consciência gerou na humanidade um intenso sofrimento através do medo do findar e influenciou de forma significativa o surgimento das religiões em geral; antes do aparecimento do homem não existia a ideia de Deus.Portanto, sou a o sentido de presença, sou a transcendência ;Sou um mistério , a angústia e a alegria da vida.Contudo,jamais compreenderei o imensurável; assim, apenas reverencio o grande mistério, sem procurar definir , sem criar uma "verdade" explicativa para tal enigma. Desta forma não preciso de crença, de dogmas , de teologias ,porque o mundo é meu altar e a vida a manifestação da força em mim;independente do nome que se crie para explicar tal força: Atman, Eu superior, Alma, Deus, força cósmica , etc.Saliento que atualmente busco viver o agora, com a certeza da minha insuficiência cognitiva para compreender o universo , celebrando o dom da vida.Contudo, sei da imensa polêmica com referência a Deus e homem.Mas, jamais entrarei em contenda defendendo nenhuma tese teísta ou ateísta. Entretanto, não posso deixar de salientar outro fator importante e não entendido que é a solidão existencial que uma verdade irrefutável, pois, o homem apesar ser definido por Aristóteles: Como um animal político;um ser social.Na verdade existencial o homem é um solitário existencial do nascer ao morrer ,existe uma íntima solidão no homem, porque ninguém consegue vislumbrar , penetrar na consciência, alma , de outra pessoa ; existe uma distância abismal ,que não medida em metro ou qualquer outra medida ; a distância é existencial, eis a verdade; tens dúvidas?busque penetrar na consciência de outro ser humano; o que aconteceu? a mais contundente verdade, não foi possível. Quando descobri esta solidão existencial passei a respeitar e celebrar cada relação minha com outra pessoa . Hoje sou mais um lobo da estepe , um solitário , mas sem sofrimento ,porque vivo cada instante celebrando a vida e aceitando os acontecimentos sejam bons ou negativos , saliento que estou aberto para a vida até o momento final.

Nenhum comentário:

Postar um comentário